sexta-feira, 16 de novembro de 2018

TENTATIVA DE HOMICÍDIO EM CURRAIS NOVOS

Na tarde dessa quinta-feira, 15/11/18, uma tentativa de homicídio foi registrada na rua Ulisses Caldas, bairro Santa Maria Gorete, Currais Novos, tendo como vítima ANTÔNIO DEOCLÉCIO DOS SANTOS, mais conhecido como "ANTÔNIO BURRÃO" foi esfaqueado por outro homem identificado como ANDERSON RIBEIRO GONÇALVES VULGO "DERSON", que reside na rua Cândido Mendes, próximo ao local do sinistro.
Um Policial Militar de folga que estava na casa vizinha ouviu os gritos, correu até o local e presenciou o suspeito esfaqueando a vítima. O PM sacou a arma, deu voz de prisão ao acusado que parou a agressão, abandonou as duas facas que estava usando e correu. O Policial deu prioridade ao socorro a vítima que foi atingida por cerca de 07 cutiladas e se encontra nesse momento na sala de cirurgia em estado grave.
O acusado ainda não foi localizado até o momento e quem tiver alguma informação sobre seu paradeiro ligar para 190.
 
Blog Plantão de Notícia

ASSOCIAÇÃO REPUDIA FALA DE VEREADOR CONTRA A PM

Jair Sampaio:O Subtenente Eliabe, Presidente da Associação dos Subtenentes e Sargentos Policiais Militares e Bombeiros Militares do Rio Grande do Note, usou as redes sociais para repudiar a fala maldosa do vereador Jonas da Padaria da cidade de Florânia. O edil afirmou que 30% dos policiais militares do Estado são usuários de drogas.
O Presidente da ASSPMBMRN questiona o vereador a apresentar a algum estudo que comprove a sua fala na tribuna do legislativo de Florânia. Pela atitude irresponsável do edil, o Subtenente Eliabe afirmou que a associação vai entrar com representação judicial em desfavor do vereador para que sejam tomadas as devidas providências.

OPERAÇÃO DO MINISTÉRIO DO TRABALHO RESGATA 25 PESSOAS DE TRABALHO ESCRAVO NO INTERIOR DO RN

Uma ação realizada pelo Grupo Móvel de Fiscalização do Ministério do Trabalho resgatou nesta semana 25 trabalhadores submetidos a trabalho degradante na zona rural de Carnaubais, na região Oeste potiguar. Segundo o MP, os resgatados trabalhavam de forma informal na extração da palha das palmeiras nativas e em cerâmicas locais.
A operação do Ministério do Trabalho contou com a participação de representantes do Ministério Público do Trabalho, do Ministério Público Federal, da Defensoria Pública Federal e da Polícia Federal.
Nas áreas de extração fiscalizadas foram resgatados 19 trabalhadores. Destes, 10 laboravam e pernoitavam no meio da mata, e outros 9 que estavam pernoitando no interior do baú de um velho caminhão que servia como local de moagem. Outros 6 foram resgatados em cerâmicas locais. Eles dormiam no local, sem as mínimas condições de higiene e segurança.
“As palhas de carnaúba são amarradas e submetidas ao processo de secagem, com a disposição da matéria-prima no chão para exposição ao sol. Uma vez seca, a palha é ‘batida’ em maquinário próprio, processo pelo qual se extrai o pó da carnaúba. O pó é vendido então para a indústria, passando muitas vezes pela mão de intermediários que o transformam em cera utilizada em produtos automobilísticos, cosméticos e componentes eletrônicos”, explica a coordenadora da ação, Gislene Ferreira dos Santos Stacholski.
Rede
Na primeira propriedade de extração fiscalizada, de 15 trabalhadores que atuavam no meio da mata, todos na informalidade, 5 dormiam em redes presas aos troncos das árvores, inclusive no tronco das carnaúbas. “O empregador fornecia apenas uma lona para que fosse utilizada caso chovesse”, conta a coordenadora.
Os fiscais constataram que nenhum dos 15 trabalhadores contratados na propriedade havia sido registrado. Cada empregado recebia uma média de R$ 300 a R$ 350 por quinzena, já descontados o valor referente à alimentação, de acordo com a produção da equipe.
Segundo ela, a “degradância das condições de vida e trabalho desses trabalhadores se ampliava ainda mais porque, afora a falta de alojamento, nenhuma estrutura que compõe uma área de vivência minimamente digna era ofertada a eles”.
Também ficou constatado que não havia instalações sanitárias ou chuveiros para banho. “A falta de disponibilização de banheiro obrigava todos os trabalhadores a satisfazerem suas necessidades de excreção no mato, nas proximidades do rancho, sem condições mínimas de saúde, higiene, conforto ou privacidade”, explica Gislene Stacholski.
O MT acrescentou que os empregados tomavam banho no meio da vegetação, a céu aberto, sem o mínimo de privacidade, com a utilização de baldes de água.
Sem estrutura
Ainda de acordo com o Ministério do Trabalho, a auditora relata que o local também não dispunha de estrutura adequada para preparo e conservação de alimentos e consumo de refeições. O cozinheiro utilizava fogareiros improvisados no chão do rancho. “Os empregados cavavam um buraco no chão para colocar a madeira e, em cima, uma grelha de ferro, que servia de suporte para as panelas. Não havia também local para as refeições, que eram consumidas com os trabalhadores em pé, nas redes, sentados no chão ou sobre tocos de madeira”, destaca.
Stacholski também ressaltou que os pertences pessoais dos trabalhadores ficavam pendurados e espalhados no rancho, no chão ou em galhos de árvores, e os trabalhadores não recebiam Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) obrigatórios. “As botas que usavam estavam em péssimo estado de conservação, tendo sido adquiridas com recursos próprios, ou eles usavam apenas chinelos comuns”, complementou.
Carroceria
Na segunda área fiscalizada, os 9 trabalhadores dormiam na carroceria fechada de um caminhão. Todos foram resgatados, pois a estrutura do veículo não garantia estabilidade ou conforto térmico no seu interior, o que deixava os obreiros sujeitos às variações do clima. “A ventilação era deficitária, pois o pequeno corte feito na lateral do baú não era suficiente para a correta renovação e circulação do ar, sobretudo considerando a sujidade do local com amontoados de palha e de pó da carnaúba e a sua superlotação. A esses problemas se soma a falta de uma estrutura de coleta e depósito de lixo, favorecendo a ausência de higiene e organização”, relata a auditora.
Gislene Stacholski disse também que a degradância das condições de vida e trabalho desses trabalhadores se ampliava porque, “afora a falta de alojamento, nenhuma estrutura que compõe uma área de vivência minimamente digna era ofertada aos trabalhadores”. Ela diz que não havia instalações sanitárias, chuveiro para banho, local adequado para preparo, conservação e tomada de refeições. Fora isso, não eram fornecidos água potável e EPIs obrigatórios aos empregados.
Em outra área de extrativismo fiscalizada foram resgatados cinco obreiros, que haviam sido recrutados do município de Assu, no interior do estado, para executar a extração, secagem e moagem da palha de carnaúba. O pó resultante desse processo era vendido a cerâmicas locais. Eles viviam e pernoitavam no meio do carnaubal, sem nenhum alojamento. O pernoite era feito em redes compradas pelos próprios rurícolas e estendidas no meio do mato, entre árvores que lhes dessem um mínimo de sustentação.
Os trabalhadores tinham ainda que arcar com os custos dos EPIs, como botas, luvas, camisas de manga longa, bonés árabes para proteção solar e outros. Também tinham que pagar pelas ferramentas de trabalho, como as lâminas utilizadas no corte da palha das palmeiras de carnaúba, conhecidas como “quicé”.
Insegurança - Nas cerâmicas fiscalizadas, os trabalhadores atuavam na fabricação de tijolos e lajotas de cerâmica. Trabalhavam durante o dia e pernoitavam no local de produção, em pequenos alojamentos no pátio das cerâmicas. “A localização do alojamento, dentro do parque industrial das cerâmicas, é inadequada, sendo uma área de circulação de materiais e pessoas, sem condições adequadas para abrigar trabalhadores. Além disso, apresentavam problemas de manutenção, higiene e asseio”, diz a auditora.
Não havia instalações sanitárias, e as necessidades fisiológicas de todos os trabalhadores eram satisfeitas no mato. O local também não continha armários para as roupas e os objetos pessoais, nem camas para descanso. Os alimentos eram preparados e cozidos em fogueira improvisada no chão e consumidos de forma precária, em meio aos tijolos.
Máquinas interditadas
“As condições de trabalho também eram marcadamente inseguras, com diversas irregularidades que ensejavam risco grave e iminente, com ausência total de medidas necessárias e suficientes de controle dos riscos, tanto que todas as máquinas foram interditadas por não possuir os requisitos mínimos de proteção de contenção de projeção de peças, materiais, com exposição de correias e partes perigosas. Somavam-se a isso diversos riscos elétricos, que se espalhavam por todo o ambiente de trabalho”, esclarece a coordenadora da ação.
Por descumprir a legislação trabalhista e manter os trabalhadores em condições de degradância, os empregadores foram autuados pela fiscalização e terão de arcar com os custos de rescisão trabalhistas a todos não registrados e aos resgatados, que alcançam R$ 43 mil para os operários da atividade de extração de carnaúba e R$ 22 mil para os trabalhadores das cerâmicas.
Os empregadores terão ainda que arcar com o recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) de todos os funcionários. Os resgatados receberão ainda do Ministério do Trabalho três parcelas do seguro-desemprego a que têm direito.
G1-RN

Quatro freiras da cidade de Cajazeiras sobrevivem após grave acidente de carro


Um grave acidente registrado nesta quinta-feira (15), na BR 427, próximo ao município de Serra Negra do Norte, no Rio Grande do Norte, deixou quatro freiras feridas. Elas trabalham em um colégio particular da cidade de Cajazeiras, Sertão da Paraíba.
De acordo com informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), as freiras, haviam saído pela manhã da cidade de Cajazeiras, a caminho de Tibau do Sul, no litoral Sul do Rio Grande do Norte. Durante a viagem, ao tentar desviar de um buraco na rodovia, a freira que conduzia o veículo, uma minivan, acabou perdendo o controle da direção e o carro capotou várias vezes, saindo da pista.
As vítimas foram socorridas ao Hospital Regional de Caicó/RN. Uma das freiras fraturou um braço, as demais apenas ferimentos leves.
Ainda segundo a PRF, todas as ocupantes do veículo estava usando o cinto de segurança.

Diário do Sertão

CORPO DE MOTOTAXICISTA E ENCONTRADO NAS PROXIMIDADES DE GOIANINHA/RN


O mototaxista Gerson Kennedy, de 23 anos, que estava desaparecido desde a última segunda-feira (12), após sair para fazer uma corrida com destino à cidade de Goianinha, foi encontrado morto na tarde desta quinta-feira, 15 de novembro. O seu corpo foi achado enterrado numa região de mata nas proximidades de um lixão, no município de Goianinha.



Um dos envolvidos no assassinato de Gerson já foi preso. Outros dois suspeitos estão sendo procurados pela polícia. Um rapaz preso ontem à tarde durante as buscas feitas na comunidade Lagoa do Poço, zona rural de Goianinha, que é usuário de drogas e tem problemas mentais, apontado como um dos suspeitos, a polícia negou sua participação no crime.



Familiares de Gerson estiveram no local e fizeram o reconhecimento do corpo. O Instituto Técnico-Científico de Polícia (ITEP-RN) está sendo aguardado para realizar a perícia e o recolhimento do corpo. Exames de necropsia deverão ser feitos para apontar as causas da morte.


O delegado de polícia civil de Goianinha, responsável pelo caso, investiga o que teria motivado a execução do mototaxista.

Céus do Seridó será cenário para o Cruzex Fligth 2018


Mais uma vez os céus do Seridó será cenário para o Cruzex Fligth 2018, o maior exercício aéreo da américa do Sul. Um guerra simulada deverá ser realizada de 18 a 30 de novembro deste ano na cidade de Caicó – RN que receberá uma grande estrutura e servirá de base para a operação, os equipamentos já deverão começar a chegar nos próximos dias.
Os militares da Força Aérea Brasileira (FAB) e representantes das nações que vão participar da Cruzex 2018 estiveram na Ala 10, em Natal (RN), entre os dias 6 e 10 de agosto, para a realização da Final Planning Conference (FPC).
Neste ano, o formato será chamado “flight“, com treinamentos de voos envolvendo mais de cem aeronaves (brasileiras e estrangeiras) engajadas na atividade.
Nesta edição, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, França, Peru, Uruguai e Estados Unidos vão participar com militares e aviões; Alemanha, Índia, Portugal, Suécia, Reino Unido e Venezuela, apenas com militares. Os países participantes deslocarão aeronaves de caça, como os F-16 norte-americanos e chilenos, cargueiros e reabastecedores, como os C-130J canadenses.
Para o Major Aviador Eric Willrich, representante da Força Aérea do Canadá, a participação e a integração entre as nações na Cruzex é o foco principal. “É uma obrigação nossa e de cada país participar deste evento, desde seu planejamento até o exercício final, uma vez que a interação entre os países e as pessoas se faz necessária para que possamos operar eficientemente e com segurança. A Cruzex nos proporciona um maior conhecimento operacional dos outros países e em futuras missões de paz poderemos atuar com uma maior integração”, especificou. 

Com informações da Força Aérea Brasileira

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Foragido da Justiça suspeito de integrar quadrilha que explode caixas eletrônicos é preso em Motel festejando com 3 homens e 7 mulheres

 
Agentes da Divisão Especializada em Investigação e Combate ao Crime Organizado (DEICOR) prenderam durante a noite da terça-feira (13), um foragido da justiça integrante de uma organização criminosa especializada em roubos a bancos, em Natal. Segundo a DEICOR, David Carneiro da Costa, vulgo “Neguinho ou Pinguim”, estava acompanhado com mais três homens e sete mulheres, todos consumindo drogas e festejando o resultado das ações criminosas em um motel.
Com eles foram encontrados vários comprimidos de ecstasy, porções de cocaína, além da quantia de R$ 10.000.00 (dez mil reais) em espécie e um veículo de luxo.
Durante a abordagem David apresentou documento falso, em nome de Hugo Nathan Medeiros da Costa, mas os policiais de imediato reconheceram tratar-se de nome falso.
Diante da materialidade e do reconhecimento do bandido, os policiais conduziram todos para a base da DEICOR, onde foi lavrado o Flagrante em desfavor de “Neguinho” pelos crimes de tráfico, lavagem de dinheiro e uso de documento falso. David, além de participação em roubos a bancos, também responde pelos crimes de homicídio e receptação. Contra os demais conduzidos foi instaurado Termo Circunstanciado de Ocorrência por uso de entorpecentes.

Tentativa de assalto termina em acidente com vítima fatal em Parnamirim

Um acidente na BR-304 no Km 306 deixou uma pessoa morta e outra ferida na madrugada desta quarta-feira (14), durante uma tentativa de assalto em Parnamirim, próximo à saída para Macaíba, na Grande Natal. Segundo a Polícia, tudo aconteceu por volta das 5h da manhã. 
A vítima que morreu não teve o nome divulgado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF). Ele era um comerciante que tinha saído de São José de Mipibu em direção a Natal e estava no banco do passageiro. Após o carro ser trancado por outros dois veículos, o motorista perdeu controle e capotou. 
veículos supostamente conduzidos por criminosos trancaram o carro onde estavam as vítimas. O motorista perdeu o controle do automóvel, uma picape de cor branca, que capotou e caiu próximo a um canteiro. De acordo com a PRF, os bandidos ainda desceram do carro para tentar levar os pertences das vítimas, mas fugiram sem levar nada.
O comerciante que estava no carro que capotou não usava cinto de segurança no momento do acidente. Ele foi arremessado do automóvel e bateu com a cabeça no chão, morrendo ainda no local. O motorista do carro foi socorrido com vida e levado a um hospital, mas a PRF não informou qual para qual unidade a vítima foi levada e não deu detalhes sobre o quadro de saúde.
A Polícia realizou diligências em busca dos bandidos, mas ninguém foi encontrado. O carro que capotou foi levado e o Itep acionado para fazer a perícia no local, além de levar o corpo da vítima.
 
Tribuna
Fotos: Whatsapp

Trabalhador é morto após reagir a assalto no Pajuçara, zona Norte de Natal


No início da manhã desta quarta-feira, 14, um funcionário da empresa de confecções Coteminas foi assassinado no Pajuçara, zona Norte de Natal. O homem, identificado como Carlos Augusto Ripardo, acabou morto por reagir a um assalto.
De acordo com oficiais da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), a vítima estava numa parada aguardando a chegada do transporte coletivo quando acabou surpreendido por dois suspeitos que estava em uma moto e anunciaram o assalto.
Segundo testemunhas, Carlos Augusto chegou a entregar seu celular aos criminosos, mas se negou a repassar a mochila. Diante da negativa, um dos assaltantes se irritou e atirou nas costas dele. Depois disso, os dois fugiram com destino ignorado. Até o momento, ninguém foi preso.

Descontente com MDB, deputado Nélter Queiroz estuda trocar de partido

José Aldenir / Agora RN
O deputado estadual reeleito Nélter Queiroz analisa deixar o MDB a partir do próximo ano. O parlamentar se queixa do comando emedebista durante as eleições de outubro.

“Fizeram um trabalho para me derrotar. Houve uma má condução do partido, pois vetaram que outras legendas se coligassem conosco”, reclamou o parlamentar, em entrevista para o programa Jornal das 6, da rádio 96 FM.

Segundo ele, que há 17 anos está filiado ao MDB, o diretório da cidade de Mossoró não queria que a legenda se alinhasse com determinados partidos, como o PSB. “Nossa coligação foi um desastre”, relata.

Eleito para o oitavo mandato na Assembleia Legislativa, Nélter Queiroz estuda propostas para filiação, mas ainda não definiu sobre qual caminho irá seguir em 2019. “Ainda estou analisando”, despista o deputado.

O deputado estadual torce por uma boa gestão da governadora eleita, Fátima Bezerra (PT). No entanto, ele acredita que a futura gestora terá grandes desafios pela frente, como a relação com os demais poderes – Legislativo e Judiciário, além do Ministério Público.

“Eu sou favorável à redução dos repasses financeiros do Executivo aos demais poderes, pois é preciso negociar melhor esta questão. Acredito que temos de esquecer a oposição; temos de esquecer o governo. Nós temos que pensar no Rio Grande do Norte”, pondera.

O emedebista também sugere que o futuro governo encerre os pagamentos das parcelas mensais referentes ao contrato de concessão da Arena das Dunas.

O deputado ainda analisou o resultado obtido nas urnas pelo atual governador, Robinson Faria (PSD). Sem citar nomes, o parlamentar avalia que o chefe do Executivo foi boicotado por parte da bancada do Rio Grande do Norte. “Após as eleições de 2014, eu senti que, quando Henrique Alves foi derrotado por Robinson Faria, algumas pessoas colocaram pedras no caminho do governo. Temos de acabar com esta política rasteira”, finaliza.

Procurador critica extinção do Ministério do Trabalho: “Haverá prejuízos internacionais”

Divulgação
Procuradores, magistrados e advogados da área trabalhista estão preocupados – por todo o País – com medidas anunciadas pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). O motivo: ele revelou o desejo de extinguir o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), que seria absorvido por outra pasta. Segundo o procurador do Trabalho no Rio Grande do Norte Gleydson Gadelha, o ministério foi criado em 1930 e, mesmo no regime militar, foi mantido.
Segundo o procurador, durante a campanha já havia indícios de que Jair Bolsonaro iria tomar essa postura, mas acreditava-se que alguém iria demovê-lo da ideia. “A criação do ministério foi um desejo da própria classe empresarial e está vinculado a uma lógica mundial. Hoje, ter um Ministério do Trabalho organizado significa dizer se o país é desenvolvido ou não. Além disso, o presidente eleito está esquecendo que existe Organização Internacional do Trabalho (OIT)”, disse Gleydson Gadelha, que ainda espera pelo bom senso do governo eleito.
Na avaliação do procurador, o Ministério do Trabalho é um órgão regulador entre o capital e o trabalho. Gleydson Gadelha informou ainda que parte significativa do empresariado, principalmente quem exporta, está preocupada com essas medidas, por conta da falta de credibilidade proporcionada pela perda de garantia da segurança jurídica. “Não tenho dúvida que haverá prejuízos internacionais com as exportações”, observou.
A lógica do procurador do Trabalho baseia-se no que existe nos países mais desenvolvidos: onde há mais inspeção com certeza haverá mais segurança jurídica, e o presidente eleito estaria indo na direção oposta.
Um manifesto oficial foi assinado por entidades Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Colégio de Presidentes e Corregedores dos Tribunais Regionais do Trabalho (Coleprecor), Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT) e Associação Brasileira dos Advogados Trabalhistas (Abrat).

Saída de médicos cubanos deixará RN desassistido em 67 cidades, aponta Sesap

José Aldenir / Agora RN

A saída de Cuba do programa Mais Médicos do Brasil, anunciada nesta quarta-feira pelo governo do país caribenho, deixará 67 municípios do Rio Grande do Norte desassistidos, de acordo com a Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap).

O Rio Grande do Norte tem, atualmente, 142 médicos cubanos distribuídos em 101 dos 167 municípios. Segundo a coordenadora da Comissão do Mais Médicos no Estado, Ivana Maria Queiroz, a saída dos profissionais caribenhos elevará de forma significativa o déficit de médicos existente.

As cidades mais afastadas da capital, Natal, devem sofrer as maiores consequências. Ivana Queiroz assinala que o Estado tem dificuldade de contratar médicos, sobretudo para atuar em localidades distantes.

Os municípios de maior porte também enfrentam problemas para fixar esses profissionais da saúde, já que a maioria opta em diluir a carga horária em regime de plantões nos serviços de urgência e emergência ou que não exijam o cumprimento de 40 horas semanais.

“Com a saída dos médicos cubanos, a Sesap vai se articular com o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do RN para discutir que estratégias serão criadas para cobrir esses vazios, justamente agora em que o Estado começa a entrar no período de mudanças climáticas, colocando os municípios potiguares em risco sanitário, diante do surgimento de doenças sazonais como dengue, gripe e outras que fragilizam a saúde das pessoas”, afirma a coordenadora potiguar do Mais Médicos.

Segundo a técnica da Atenção Básica e também membro da Comissão do Mais Médicos no RN Uiacy Nascimento de Alencar, os médicos intercambistas cooperados (dos quais 142 são cubanos) que atuam na atenção básica exercem a medicina de Saúde da Família e da Comunidade, desenvolvendo processos de trabalho nas áreas de promoção da saúde e prevenção de doenças e agravos sensíveis à atenção básica, bem como cuidados em saúde mental e reabilitação com apoio dos Núcleos de Apoio ao Saúde da Família.
“Eles procuram atuar no manejo das doenças e condições crônicas, em práticas que valorizam mudanças de estilos de vida e outras situações que demandam a produção de vínculos e apoio a autonomia dos usuários do SUS para práticas orientados de autocuidado”, observou.

DESISTÊNCIA
 
O governo de Cuba anunciou, na manhã desta quarta-feira, que deixará de participar do programa Mais Médicos. A decisão vem após o presidente eleito, Jair Bolsonaro, afirmar que pretende modificar os termos de colaboração com o país caribenho.

Em vigor há cinco anos, o programa – criado na gestão da então presidente Dilma Rousseff – traz médicos de outros países para atuarem em regiões em que há déficit de profissionais de saúde. A maioria dos médicos do programa (51%) vem de Cuba, após acordo do Ministério da Saúde do Brasil com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).

Quando são abertos chamamentos de médicos para o programa, a seleção segue uma ordem de preferência: médicos com registro no Brasil (formados em território nacional ou no exterior, com revalidação do diploma no País); médicos brasileiros formados no exterior; e médicos estrangeiros formados fora do Brasil. Após as primeiras chamadas, caso sobrem vagas, os médicos cubanos são convocados.

Após Cuba anunciar a saída do programa, Bolsonaro disse via Twitter que condicionou a continuidade do programa “à aplicação de teste de capacidade, salário integral aos profissionais cubanos, hoje maior parte destinados à ditadura, e a liberdade para trazerem suas famílias” e que, “infelizmente, Cuba não aceitou”.

De acordo com o governo cubano, em cinco anos de trabalho no programa brasileiro, cerca de 20 mil médicos atenderam a 113.539 milhões de pacientes em mais de 3,6 mil municípios. “Mais de 700 municípios tiveram um médico pela primeira vez na história”, disse o governo.

Em nota, a Opas informou que Cuba comunicou ao órgão a decisão de não continuar participando do Mais Médicos. A Opas, por sua vez, comunicou a decisão ao Ministério da Saúde do Brasil. “Devemos ter mais detalhes nos próximos dias. Assim que os tivermos, divulgaremos”, informou o órgão internacional.

Mais médicos: se cubanos forem embora, quando chegarão os próximos?, diz médico de Cuba que chegou ao Brasil nos anos 1990

Quando o médico cubano Eduardo Rodriguez chegou a Pedreira, no interior de São Paulo, não havia outros como ele ali. Era meados dos anos 1990 e ele trabalhava sozinho para implantar um sistema de saúde familiar na região. Foi só vinte anos depois que Rodriguez viu seus conterrâneos chegarem como integrantes do programa Mais Médicos - o município de 300 mil habitantes foi um dos primeiros a receber os profissionais de fora. 

Desde então, em meio a críticas de entidades de classe e outras controvérsias, Rodriguez percebeu a diminuição das filas nos postos de saúde e ouviu elogios aos cubanos que visitavam os doentes em casa.
Agora, com Cuba anunciando que vai deixar o programa, Rodriguez diz não temer pelo futuro das três médicas cubanas que trabalham ali. Nem por Pedreira em si. Sua preocupação está longe, nos interiores do Brasil, onde os estrangeiros são as únicas opções para uma população carente. 

"Acho que essa decisão vai desmantelar o sistema de saúde. Tem lugares que só tem médicos cubanos e os prefeitos se apoiam nisso. Se as próprias prefeituras terão que pagar os salários dos médicos, como vão bancar? E a lei brasileira não permite a contratação sem concurso público. No momento que os cubanos vão embora, quando vão chegar os próximos?", diz Rodriguez, que hoje é diretor de saúde de Pedreira. 

A decisão de Cuba de deixar o Mais Médicos, programa criado pelo governo Dilma Rousseff em 2013, foi informada nesta quarta-feira, em declaração do Ministério da Saúde Pública publicada no jornal Granma. No texto, o ministério cita "referências diretas, depreciativas e ameaçadoras" feitas pelo presidente eleito Jair Bolsonaro sobre a presença dos profissionais cubanos no país. Em agosto, em um comício, Bolsonaro afirmou que iria usar o Revalida - o exame de validação de diplomas - para "expulsar" os médicos cubanos.

"Vamos botar um ponto final do Foro de São Paulo. Vamos expulsar com o Revalida os cubanos do Brasil", disse o então candidato.

Há cinco anos, Cuba envia médicos para trabalhar no Sistema Único de Saúde como uma forma de atender regiões pobres e amenizar a dificuldade de contratações de brasileiros. O projeto foi criticado por associações médicas porque, segundo elas, abriria uma brecha para atuação de profissionais cuja formação não foi endossada por órgãos competentes do país.

Já para Rodriguez, além de suprir a falta de pessoal, os cubanos do Mais Médicos reforçaram um enfoque mais acolhedor de atendimento, em que os processos de escuta do paciente são valorizados, seguindo o modelo de medicina social de Cuba. 

"Eles são bem qualificados, como eu. Tem essa formação de acolhimento, aquele sorriso de sempre, a preocupação em escutar a queixa com cuidado."

Ele argumenta que a principal consequência da saída dos cubanos será a reação dos pacientes, que sentirão falta do atendimento, ainda mais onde experimentam a presença de um médico pela primeira vez. 

"Isso é muito difícil, sobretudo no Nordeste, onde às vezes o cubano é o primeiro médico. Precisamos lembrar que tem cubanos em comunidades indígenas, em quilombos."

No caso de Pedreira, ele diz que não sabe como a substituição das três médicas será resolvida, mas prevê que os moradores receberão mal a notícia. 

"Eles vão estranhar. Os médicos de família vão na casa das pessoas quando elas estão acamadas. O pior que vai acontecer é com a população mais necessitada que, além de carência econômica, terá falta de afeto e cuidado."

 Bolsonaro criticou programa e disse que médicos cubanos não são qualificados

Contratações

Mas há também as dificuldades práticas. Para secretária de saúde de Pedreira, Ana Goulart, uma corrida de contratações será o primeiro resultado da saída de Cuba do Mais Médicos, o que tende a agravar a escassez de profissionais.
"De imediato, a substituição vai ser complicada, porque todo mundo vai estar contratando. Minha vizinha, Jaguariúna, tem 11 cubanos, a região toda vai estar procurando", diz Goulart, que entre idas e vindas ocupa a função há 13 anos.
Para ela, o grande desafio será achar brasileiros para preencher as vagas. Em sua experiência como secretária, diz que sempre teve dificuldades para encontrar pessoas dispostas a atender em postos de saúde durante 40 horas por semana, como médicos de família.
"É difícil achar alguém que queira vir passar 40 horas como as três cubanas fazem hoje. Temos mais facilidade com especialistas, como cardiologistas, ginecologistas, que podem trabalhar 20 horas."

O pouco interesse de médicos brasileiros de trabalhar em regiões remotas e pobres está entre as razões citadas pelo governo Dilma para incentivar a entrada de estrangeiros no SUS. Hoje, das 18.240 vagas do programa, 8.332 são ocupadas por cubanos, segundo dados do Ministério da Saúde. Ainda de acordo com o ministério, nos próximos dias será convocado um edital para ocupar os postos abertos. 

A secretária de Pedreira diz que ainda não conversou com as médicas cubanas sobre sua saída da cidade. O comunicado publicado nesta quarta não informa a data em que os profissionais deixarão o programa. Para Goulart, elas farão falta em Pedreira, onde seu trabalho é bem visto e ajudou a diminuir as filas por atendimento. 

"A população aceita bem o serviço delas e elas são muito boas, cumpridoras de horário."
Eduardo Rodriguez engrossa o coro: as cubanas são simpáticas, preparadas e foram muito recebidas pela comunidade, onde ele se instalou em 1995. 

"Somos cubanos porque nos diferenciamos na fala, mas somos morenos como os brasileiros, gostamos de arroz e feijão, picanha. Elas já estão muito bem adaptadas."

Com o anúncio da saída de Cuba, um médico responsável por cobrir as férias dos demais deve entrar no lugar de uma das cubanas, mas duas vagas permanecerão em aberto. Tais ausências, diz Goulart, devem aumentar a espera por consultas. 

 Hoje, das 18.240 vagas do Mais Médicos, 8.332 são ocupadas por cubanos 

Falta de transparência nos pagamentos

Apesar dos problemas trazidos pelo fim da parceria com o país caribenho, a secretária diz que o desdobramento não foi de todo inesperado. As falas de Bolsonaro durante a campanha, quando declarou que "expulsaria" os médicos cubanos do Brasil com base no exame da revalidação de diploma de médicos formados no exterior, o Revalida, já a deixaram em alerta. O que surpreendeu a secretária, no entanto, foi a decisão ter partido de Cuba e não do governo brasileiro.
"Para Cuba estava bom, né, porque o Brasil mandava um valor maior para eles e (eles) pagavam um valor menor para os médicos."
Segundo termo técnico assinado entre o Ministério da Saúde e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), braço da Organização Mundial de Saúde para as Américas, cada médico do programa recebe do governo federal uma bolsa de R$ 10 mil mensais. O dinheiro é pago pelo governo brasileiro à Opas, que o repassa para Cuba. O governo cubano, por sua vez, retém uma parte do valor e paga o restante aos médicos bolsistas do país. Não há, no entanto, números oficiais sobre o quanto é repassado. Nos cinco anos de programa, participantes reclamaram que nenhum recurso estava sendo enviado.
No ano passado, o Tribunal de Contas da União recomendou ao Ministério da Saúde que corrigisse falhas e desse mais transparência aos repasses financeiras à Opas. Para o tribunal, o ministério deveria exigir que a organização apresentasse a prestação de contas dos pagamentos feitos aos participantes do Mais Médicos.
Na mesma ocasião, o TCU apresentou dados que indicavam a eficácia do programa. Segundo números do governo federal de 2017, mais de 63 milhões de pessoas eram assistidas pelo Mais Médicos. Além disso, nos 2.116 municípios que receberam médicos nos 1º e 2º ciclos do programa, houve um crescimento de 33% na média mensal de consultas.


15 de novembro: por que nesse dia é feriado nacional?


O Brasil é um país cheios de feriados e é difícil de se lembrar a razão de todos eles, não é verdade? Por exemplo, você sabe por qual razão o dia 15 de novembro é considerado um feriado nacional?
Para que você entenda melhor o contexto é preciso mergulhar em uma rápida aula de História. Isso porque o dia 15 de novembro só se tornou memorável a partir do ano de 1889.

Nessa data, a monarquia finalmente teve um fim e nosso país deixou de ser colônia de Portugal.

15 de novembro de 1889

Para isso, o Marechal Deodoro da Fonseca, militar e político brasileiro naquela época, tomou coragem e proclamou a derrubada da monarquia constitucional parlamentaria do Império do Brasil e proclamou a República Brasileira. Por isso, o dia 15 de novembro é conhecido como o Dia da Proclamação da República.
O anúncio feito pelo Marechal aconteceu na Praça da Aclamação, atualmente chamada de Praça da República, na cidade do Rio de Janeiro, capital do país na ocasião.

Por que a República foi proclamada?

De acordo com especialistas, a Proclamação da República aconteceu 67 anos, dois meses e nove dias depois do 7 de setembro de 1822, quando o Brasil foi declarado independente da Coroa Portuguesa pelo então príncipe Dom Pedro I. Depois disso, ainda tivemos mais 6 décadas de monarquia.
Conforme registros históricos, o sistema monárquico de Dom Pedro II, filho de Dom Pedro I, começou a demonstrar fragilidade logo depois da Guerra do Paraguai, que teve fim em 1870. Antes disso o Império já estava com o prestígio em queda livre diante da elite econômica local e da Igreja e o problema ficou ainda mais sério depois do conflito devido às dívidas e a crise econômica que se deflagou.

Outros dois fatos também pesaram bastante quando o grupo de militares republicanos resolveram “dar o golpe”: o fim da escravidão no país um ano antes e o fato de Dom Pedro II não ter filhos ou filhas. Esse segundo detalhe faria com que o trono brasileiro voltasse para países estrangeiros, já que sua herdeira direta seria a princesa Isabel, casada com o francês Gastão de Orléans.
Isso, claro, sem contar que o Brasil já começava a ser visto com maus olhos pelos países vizinhos da América Latina por ser o último da região com o governo monárquico.

Apoio e revoltas

Embora a população brasileira tenha aceitado a República sem resistência em um primeiro momento, logo depois dos primeiros anos revoltas começaram a surgir por toda parte, como a Guerra de Canudos.
Isso aconteceu porque os militares, na verdade, estavam implantando uma ditadura que não dava a mínima para os ideais de justiça social que haviam sido prometidos.
Só quando finalmente os militares saem do poder e Prudente de Morais assume o governo como o primeiro presidente civil do país é que o modelo passa a ser realmente voltado para a democracia.
E, se agora você quiser entender melhor um outro episódio histórico de nosso país, não deixe de conferir também: Por que a Independência do Brasil é comemorada no dia 7 de setembro?


Fonte: Univérsia BrasilGazeta do Povo


quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Ex-prefeito que matou filho por engano não tinha porte nem registro da arma, diz delegado

O ex-prefeito que matou o filho por engano, acreditando ser um assaltante, não tinha porte e nem registro da arma que usou no crime, segundo informou o delegado Jorge Luis, responsável pelo caso. Adilson Azevedo, de 63 anos, que foi gestor em Baraúna, no Curimataú da Paraíba, se apresentou à polícia e prestou depoimento nesta terça-feira (13). O filho dele, Alyson Azevedo, que tinha 37 anos, também foi ex-gestor do município.
Durante o depoimento, Adilson entregou a arma com que atirou no filho, um revólver calibre 38. Segundo o delegado Jorge Luis, o ex-prefeito não foi autuado e vai responder pelo crime em liberdade, já que se apresentou à polícia. Ele foi liberado para comparecer ao velório do filho.
Ex-prefeito de Baraúnas, Alyson Azevedo, foi morto pelo pai, Adilson Azevedo, após ser confundido com assaltante — Foto: Reprodução/TV Cabo Branco
Adilson alegou, ainda, que já havia sido assaltado e, por isso, quando escutou o barulho no portão da casa dele sendo violado, se preparou para atirar sem saber que a vítima era o próprio filho.
O velório de Alyson acontece no ginásio Joselito de Oliveira. Já o sepultamento dele está marcado para as 17h da quarta-feira (14) e deve acontecer no cemitério municipal de Baraúna.
Entenda o caso
Depois de ser chamado por vizinhos porque uma fumaça estava saindo da casa do pai e ninguém conseguia acordá-lo, Alyson tentou arrombar a porta do imóvel na noite da segunda-feira (12).
Adilson atirou de dentro da casa contra o filho achando que se tratava de um assalto. A vítima foi baleada no peito e chegou a ser levada para o Hospital de Picuí, mas não resistiu e morreu. 
A fumaça que saía da casa e chamou a atenção dos vizinhos era de uma panela de pressão que havia sido esquecida no fogão.
G1/PB

Semiárido do Nordeste terá temperaturas acima da média nos próximos 06 meses.



De acordo com o físico, meteorologista e mestre em Meteorologia Rodrigo Cézar Limeira, o semiárido do Nordeste deverá ter temperaturas acima da média nos próximos 06 meses.

A afirmação se refere aos meses de novembro, dezembro, janeiro, fevereiro, março e abril.

Para o estudioso o principal responsável pelo calor acima do normal a ser observado no semiárido nos próximos meses, será o fenômeno climático e oceânico El Niño.

O mesmo deve se configurar entre os meses de dezembro e janeiro na região central do Oceano Pacífico Equatorial, no entanto, alguns sinais de sua formação já são visíveis, e um deles é a nebulosidade abaixo do normal nesse final de ano em grande parte do interior do Nordeste.

O estudioso Rodrigo Cézar Limeira diz que o fato do Oceano Pacífico Central se apresentar mais quente que o normal, favorece que um dos ramos descendentes da célula de Circulação de Walker fique sobre o norte do Nordeste, isso contribui para a atuação de uma alta pressão persistente na região, inibindo a convecção e consequentemente a formação de nuvens durante dias seguidos.