APOIO

APOIO

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Superação das adversidades no Seridó é destaque no Globo Rural

Desenvolvido no Sítio Mirador, propriedade de Maurício Romualdo dos Santos distante 7 km do centro de Currais Novos, o projeto agrossilvipastoril é um modelo exitoso para a região do Seridó. Ele chegou a atrair até mesmo o interesse do programa rural da TV Globo, que enviou o repórter e apresentador Nélson Araújo para conhecer a experiência na última terça-feira, 12. Até agosto de 2015, seu Maurício, de 59 anos, possuía apenas uma cabra em seus 25 hectares de terra e sua renda mensal era de R$ 80,00. O sítio sofria com a erosão acentuada e a família padecia com a falta de perspectivas de mudanças e de qualquer alternativa econômica para uma área tão pouco promissora.
Onze meses se passaram e a situação hoje é bem diferente. Graças à Assistência Técnica da EMATER foi possível enxergar uma luz no fim do túnel. Seu Maurício, que só tinha uma cabra, sonhava com um rebanho e com melhores condições para sua família. Com a orientação prestada pelos extensionistas da EMATER, Nilton Oliveira e Maria Elina Carvalho, seu Maurício multiplicou sua produção e passou a ver a terra com outros olhos. Seu Maurício teve acesso ao crédito e obteve R$ 4.000,00 (quatro mil reais) junto ao Banco do Nordeste; com a soma, adquiriu 08 animais que geraram o atual rebanho de 50 cabeças.
O projeto agrossilvipastoril proposto pela EMATER nas terras de seu Maurício conta com 20 tecnologias e técnicas simples e de baixo custo que foram sistematizadas e integradas, e que fizeram a diferença na vida do produtor. Prova de que com pouco, muito pode ser feito. Entre as tecnologias aplicada estão: raleamento e rebaixamento da caatinga, que permitem aos animais de pequeno porte alimentarem-se na área; renques feitos com os restos da poda; barramentos e enleiramento para evitar a erosão do solo e permitir a retenção da matéria orgânica; barragem subterrânea e poço para obtenção de água, dentre outras.
Com um reprodutor emprestado de outro criador por um ano foi possível fazer um melhoramento genético do pequeno rebanho. Uma área da propriedade foi destinada à produção de um banco de proteína, e além da criação de galinhas, há um pomar de caju e manga.
Para atrair o interesse do jovem Adriel, filho do Sr. Maurício, para as atividades do campo, engenhosamente Nilton o presenteou com uma cabra, dando-lhe a responsabilidade pelo animal. Adriel pegou gosto pela coisa e hoje é pastor do rebanho do pai. Sua cabra já deu três crias e em breve Adriel poderá ser um jovem Pronafiano.
Para além da melhoria das condições de produção, segundo Elina e Nilton, o projeto tem como objetivo criar a consciência ecológica diante da terra sertaneja que, apesar de apresentar grandes adversidades, é uma terra rica se for bem trabalhada, bastando apenas entrar em harmonia com ela. Para seu Maurício, a presença constante dos técnicos da EMATER foi essencial para o êxito do projeto no Sítio Mirador. “Eles estão sempre aqui”, diz seu Maurício, por isso há confiança em fazer o que eles orientam.
“É engajamento total, de corpo e alma, no que fazemos. Ver os resultados da nossa dedicação e da aceitação da nossa presença pelo produtor é a melhor coisa, é saber que estamos no caminho certo”, dizem os extensionistas sobre a sua melhor obra. Seu Maurício, sua esposa Mariquinha e o caçula Adriel estampam alegria quando posam para a foto, aguardando ansiosos que a sua história corra o mundo, pela TV, e que outros como eles possam ver a vida melhorar.
Visita da diretoria da Emater
No último sábado, 09, a diretora geral da EMATER, Cátia Lopes, realizou visita ao Sítio Mirador e conheceu a experiência exitosa do trabalho conjunto entre os extensionistas e seu Maurício. A diretora esteve também na Comunidade Trangola, onde conheceu projeto de revitalização de solos degradados e visitou alguns agricultores familiares assistidos pela EMATER na região. Quem são os técnicos Nilton Oliveira tem 58 anos de vida e 37 de Emater, onde atua como assistente de extensão rural.
Maria Elina Carvalho tem 40 anos e há 8 trabalha na Emater, como assistente social e analista de extensão rural. Ambos acompanham seu Maurício desde agosto de 2015. Nilton e Elina também prestam assistência a agricultores familiares da Comunidade Trangola, onde a EMATER atua em várias frentes, sobretudo no uso de tecnologias de combate à erosão.


Nenhum comentário:

Postar um comentário