APOIO

APOIO

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Empresa acusada de ‘lavar’ dinheiro foi contratada por Carlos Eduardo Alves e Rosalba

Durante coletiva da Polícia Federal e do Ministério Público Federal para apresentar os detalhes da Operação Manus, que resultou na prisão do ex-ministro do Turismo Henrique Eduardo Alves (PMDB) e do secretário de Obras Públicas de Natal, Fred Queiroz, os agentes explicaram que uma empresa potiguar esteve envolvida em esquema de lavagem de dinheiro proveniente de doações legais e ilegais para a campanha eleitoral de Henrique Alves ao governo do Rio Grande do Norte, em 2014: a Prátika Locações, cujo dono é o próprio Fred Queiroz, em associação com sua esposa Erika Nesi, também presa durante a operação.
De acordo com os procuradores, a Prátika, que havia sido contratada pelo comitê de campanha de Henrique para serviços de “militância de rua”, teria recebido R$ 9 milhões durante a campanha do ex-ministro para o governo do estado e sacado R$ 4 milhões em espécie durante o período eleitoral. Do montante, R$ 2 milhões teria sido sacado às vésperas da disputa do segundo turno das eleições para ser usado, de acordo com investigações do Ministério Público Federal, em campanha de votos e apoio político. A denúncia oficial do órgão deverá ser oferecida dentro de 15 dias.
A Prátika Locações atua no Rio Grande do Norte como empresa que organiza a estruturação de eventos e espetáculos em todo o estado. A montagem com “qualidade” e “pontualidade” é um dos aspectos defendidos pela empresa em seu site oficial. Dentre os serviços de locação oferecidos pela Prátika, estão a climatização de ambientes; iluminação, mesas e cadeiras, stands, tendas e camarotes. A Prátika também é responsável pela contratação e produção de shows; serviços de carro e som, além de planejamento e organização de eventos. Alguns dos principais parceiros da companhia são o Festival Bossa e Jazz, o Festival Mada, a Arena das Dunas e a InterTV Cabugi, principal emissora televisiva do Rio Grande do Norte, afiliada da Rede Globo, que tem Henrique Alves como um dos sócios. Curiosamente, foi Henrique quem indiciou o nome de Fred Queiroz à secretaria de Turismo e, eventualmente, de Obras para o prefeito Carlos Eduardo Alves (PDT).
A empresa de Fred Queiroz, inclusive, já fez pactos com a prefeitura de Natal. Em 2015, quando o município seguia gerido por Carlos Eduardo Alves (PDT), a Secretaria de Esportes e Lazer (SEL) utilizou os serviços da Prátika para fornecimento de um palco que custou aos cofres públicos R$ 36.750,00. Neste mesmo ano, o presidente da Câmara Municipal de Natal, Raniere Barbosa (PDT), então titular da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semsur), pediu o prolongamento de um contrato firmado com a Prátika em 2014, em nome da secretaria, para serviços de locação de tendas em estruturas metálicas tubulares, incluindo transporte, montagem, desmontagem, armazenamento e manutenção preventiva e corretiva, para atender as feiras livres do Município de Natal. No total, o município gastou R$ 465.265,00.
A Fundação Capitania das Artes (Funcarte) de Dácio Galvão também foi mais uma das secretarias de Natal a requisitar os serviços da empresa de Fred Queiroz. As informações podem ser vistas no Diário Oficial do Município, que registram a parceria entre o prefeito Carlos Eduardo e a Prátika Locações desde o ano de 2007.
A Prátika também esteve ativa durante o governo de Rosalba Ciarlini (2011-2014), hoje prefeita de Mossoró pelo Partido da República. Na época, a empresa firmou compromisso com duas partes: a Empresa Potiguar de Promoção Turística (Emprotur) e o Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte (Idema). Com a Emprotur e o Governo do Estado, a Prátika tomou parte em contrato que culminou em nove termos aditivos, sendo o último, datado de 2 de abril de 2013, no valor diminuído de R$ 485 mil. Já no caso do Idema, o Diário Oficial do Estado de 7 de outubro de 2011 mostra traços da contratação da Prátika, pelo então diretor do órgão estadual, Marcelo Toscano. No documento, apresenta-se um termo de aditivo que acrescenta 25% (vinte e cinco por cento) a um objeto contratado no valor de R$ 325 mil – correspondente a 25% do valor inicialmente contratado, referente à inclusão de mais oito municípios no evento ambiental itinerante “Caravana Ecológica”.
Bastante presente em serviços prestados ao município de Natal e ao estado do Rio Grande do Norte, a Prátika Locações agora enfrenta crise com a prisão decretada de Fred Queiroz e de sua esposa e sócia Erika Nesi.

Nenhum comentário:

Postar um comentário