APOIO

APOIO

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Corpo de turista que morreu em parque aquático é liberado pela perícia


A Perícia Forense do Estado do Ceará liberou na manhã desta terça-feira, 17, o corpo de Ricardo José Hilário da Silva, que morreu nessa segunda-feira, 16, quando estava em um brinquedo do parque aquático Beach Park, em Aquiraz. Segundo testemunha relatou ao O POVO Online, a boia na qual ele estava com mais três pessoas subiu mais alto do que o esperado em uma das curvas da atração e caiu virada. José Hilário teve traumatismo craniano e morreu ainda no local.
O turista de São Paulo tinha 43 anos, era radialista e apresentava programa matinal na Rádio Nova Brasil FM. De acordo com testemunhas, a boia que Ricardo utilizava ia mais rápido do que outras que passavam pelo brinquedo chamado Vainkará, inaugurado no último sábado, 14. 
O brinquedo foi interditado pela perícia na tarde de segunda-feira. A diretoria do Beach Park afirmou que, em respeito às famílias, o parque ficou fechado nesta terça-feira. 
De acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), o caso será investigado pela Delegacia Metropolitana de Eusébio. A delegacia especializada em Proteção ao Turista (Deprotur) também esteve no local e apura os acontecimentos.

O parque aquático confirmou que a boia não ultrapassou a barreira de contenção do "Vainkará", brinquedo inaugurado três dias antes

O Beach Park lançou nova nota na tarde desta terça-feira, 17, explicando pontos da perícia sobre a morte de turista em toboágua. O jornalista Ricardo José Hilário da Silva, de 43 anos, morreu nessa segunda, 16, ao descer o "Vainkará", brinquedo inaugurado três dias antes.
Levamentos periciais iniciais reforçaram que a boia que levava Ricardo e outras três pessoas virou ao fim do percurso, dentro do toboágua. "É completamente equivocada a informação de que a boia ultrapassou a barreira de contenção do brinquedo e que os visitantes tenham sido arremessados", informou o Beach Park.
O parque mencionou ainda os dois anos e meio de desenvolvimento, implantação e testes do "Vainkará". O brinquedo foi interditado até conclusão da perícia. O parque fechou nesta terça. A Delegacia de Proteção ao Turista (Deprotur) vai conduzir as investigações.
Leia a íntegra do comunicado assinado pela diretoria do Beach Park:
O Beach Park esclarece que está totalmente dedicado ao suporte à família de Ricardo José Hilário da Silva e apoiando as investigações dos órgãos responsáveis pela perícia, que estiveram hoje dentro do parque. A família e a vítima já estão a caminho de sua cidade de origem.

O Beach Park reforça que possui alvará de funcionamento e que são realizados testes em todas as atrações antes de inaugurarem oficialmente. Para o lançamento do Vainkará, que levou dois anos e meio para ser desenvolvido e instalado no parque, a empresa canadense ProSlide, desenvolvedora do brinquedo e fornecedora de atrações dos maiores parques aquáticos do mundo, realizou inúmeros testes com uma equipe especializada enviada ao Brasil e autorizou o início da operação do equipamento.

O parque reitera que é completamente equivocada a informação de que a boia ultrapassou a barreira de contenção do brinquedo e que os visitantes tenham sido arremessados. A boia virou no final do percurso dentro da atração, já próximo da piscina. A perícia está sendo realizada pelas autoridades com apoio do Beach Park e a identificação das causas do acidente só será confirmada após a finalização deste trabalho.

O Beach Park lamenta muito o ocorrido e reforça seu compromisso prioritário com a segurança e a integridade de seus visitantes por meio de treinamentos diários com toda a equipe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário