APOIO

APOIO

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Trabalhadores promovem ato público e participam de audiência sobre a Reforma da Previdência

Nesta segunda-feira estivemos acompanhando o ato público em nossa capital que apesar do sol forte da capital potiguar, a direção do SINTE/RN, trabalhadores em educação e de diversas áreas, sindicatos, a CUT e outras centrais sindicais e movimentos sociais ocuparam a Praça 7 de setembro, em frente à Assembleia Legislativa, para protestar contra a Reforma da Previdência. Os representantes das entidades se revezaram nas falas e apontaram os prejuízos que a reforma vai trazer para o povo brasileiro.
A atividade , que foi promovida pelo Fórum Estadual dos Servidores e faz parte da jornada de lutas contra a reforma, aconteceu durante toda a manhã desta segunda-feira (20) e ao mesmo tempo em que era realizada uma audiência pública sobre a Reforma da Previdência, no auditório da Assembleia Legislativa. Assim como a praça, o plenário da AL ficou repleto de trabalhadores que acompanharam a audiência através de telões. Os corredores do prédio também ficaram abarrotados de pessoas que queriam acompanhar o debate.
A coordenadora geral do SINTE/RN, professora Fátima Cardoso, acompanhou a audiência pública e aproveitou a ocasião para entregar uma carta produzida pelo SINTE. O documento é destinado aos deputados e senadores do Rio Grande do Norte e apela para que os parlamentares locais digam não a reforma.
No ato, o coordenador geral do SINTE/RN, professor José Teixeira, utilizou o seu aparte para rechaçar o projeto que vai modificar o tempo de contribuição e elevará a idade mínima para o brasileiro encerrar a carreira profissional. O sindicalista conclamou a classe trabalhadora para intensificar os atos e manifestos para barrar o projeto, previsto para ser votado em março.
A professora Edneuza Nobre, que leciona na rede municipal de Natal, também criticou a reforma proposta pelo governo Temer. Ela aponta que o projeto vai acabar com a aposentadoria especial dos professores e afetará principalmente as mulheres, que serão obrigadas a contribuir para a previdência e trabalhar durante o mesmo período que os homens.
 
Representantes do sindicato dos trabalhadores de Santana do Matos participaram deste movimento,o nosso blog esteve acompanhando.

Breve iremos publicar entrevistas que fizemos na oportunidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário